Conheça o SECCO, um produto verdadeiramente eco-amigável


(Redatora na Atemporale Design) set 23, 2016

Conheça o SECCO, um produto verdadeiramente eco-amigável
O sanitário que não utiliza água vem para mudar a nossa relação com o banheiro e melhorar a vida de diversas comunidades

Você usaria um sistema sanitário que não utiliza água e ainda ajuda no desenvolvimento social e econômico? Nos últimos anos, se tornou muito comum ouvirmos falar sobre sustentabilidade e ecodesign. A necessidade de se pensar em alternativas para contribuir com o ambiente no qual vivemos e ainda solucionar problemas de escassez de recursos faz com que surjam novos produtos. Esse é o caso do SECCO, o sanitário eco-amigável...

Você usaria um sistema sanitário que não utiliza água e ainda ajuda no desenvolvimento social e econômico?

Nos últimos anos, se tornou muito comum ouvirmos falar sobre sustentabilidade e ecodesign. A necessidade de se pensar em alternativas para contribuir com o ambiente no qual vivemos e ainda solucionar problemas de escassez de recursos faz com que surjam novos produtos.

Esse é o caso do SECCO, o sanitário eco-amigável desenvolvido pelos designers Leandro Hoyos Urrea, Iván Oliva Serrano e Mariana Buraglia Osorio da empresa colombiana LEHOS S.A.S.

No artigo sobre ecodesign introduzimos sobre SECCO falando porque este produto é um verdadeiro exemplo de projeto de ecosustentável. Neste post vamos falar mais detalhadamente sobre como funciona este sanitário quais são seus benefícios e desafios.

1.O que é SECCO?

SECCO é um sistema de saneamento com higienização a seco, ou seja, não precisa de sequer uma gota de água ou eletricidade para funcionar. O dispositivo contém um separador de fezes e urina que utiliza um recurso local, como areia e/ou terra.

Protótipos do SECCO já fabricados

O sistema foi criado com o intuito de melhorar a vida das pessoas que vivem em áreas de emergência (refugiados) e sofrem com a escassez de água e, ao mesmo tempo, dar a elas a oportunidade de usarem o sanitário com conforto e dignidade. No entanto, ele também pode ser instalado em áreas urbanas.

2.Como funciona este sanitário a seco?

O SECCO não requer instalações especiais, o que permite que ele funcione de maneira autônoma, fácil e muito parecida com o atual sistema sanitário hidráulico.

Primeiramente, é preciso abrir o separador, assim como abriríamos a tampa de um vaso comum. Logo após, acionamos o mecanismo que vai despejar o material de cobertura (a areia, a terra ou outro elemento que atenda à granulometria específica).

Após utilizar o sanitário é só acionar esse mecanismo mais uma vez e fechar o separador.

Funcionamento do dispositivo SECCOO mecanismo patentiado, para a provisão das fezes SECCO, fornece ao usuário uma experiência higiênica confortável parecida com o uso habitual de um sanitário convencional. Todavia sem o utilizo de água. Fonte: Presentación secco y domos 07.07.16 web.pdf

O dispositivo SECCO também foi criado com dois esquemas de rotas de saneamento que evitam a contaminação das fontes pelo manejo dos excrementos. A primeira permite o aproveitamento seguro através da compostagem para a recuperação de solos agrícolas. A segunda possibilita o manejo seguro em caso de não ter como aproveitar os resíduos.

Texto alt da imagem aqui Imagem como funciona o reaproveitamento das fezes e urina.Fonte: Presentación secco y domos 07.07.16 web.pdf

3.Quais são os benefícios do SECCO®?

Utilizar um sistema deste tipo traz inúmeros benefícios ambientais, econômicos e sociais. Assim podemos destacar:

  • Portabilidade: A leveza e a facilidade de montagem e de transporte tornaram possível a criação do mecanismo portátil. Já o permanente pode ser usado até mesmo em um apartamento já construído.

Segundo Mariana Buraglia em um edifício é possível fazer uma descarga de fezes que conecta todos os banheiros até o biodigestor, que pode produzir energia para o prédio. A ideia dos criadores é adequar cada instalação para as necessidades do cliente e do local.

  • Economia: A versão básica do dispositivo com a instalação custa aproximadamente 700 dólares. Um sanitário comum custa 200 dólares. Mas ele também exige o custo de instalação (que não é contemplado neste valor), uma maior infraestrutura, além de gastos com cimento, água e, claro, o custo ambiental.

Em um ano, uma pessoa pode consumir e contaminar até 22.000 litros de água usando um sanitário convencional. O SECCO reduz esse número a zero.

  • Conforto: O produto foi criado pensando no conforto do usuário e se assemelha a um sanitário hidráulico. Além da versão básica, feita de plástico, também existe a luxuosa, criada em pedra acrílica natural.

4. Com tantos benefícios, por que esse sistema ainda não é comum?

Em entrevista a Atemporale, a designer Mariana Buraglia relata que o primeiro desafio para a implantação do SECCO é cultural:

Para as pessoas, ele remete a algo primitivo e elas pensam que é como se fosse um buraco. Estamos acostumados a fazer com que as fezes desapareçam pela movimentação da água, que vem associada à ideia de limpeza a saúde. Mas na realidade é pior quando a água se mistura nas fezes".

Mariana Buraglia também afirma que o armazenamento das fezes pode assustar algumas pessoas:

Será necessária muita educação para mudar esses hábitos. Não estamos acostumados a ter contato com as fezes no sistema comum. Então, a gente imagina pedaços inteiros ali. Mas não é bem assim, depois esse conteúdo se transforma em terra."

5. Em conclusão

Como tudo que é inovador, o SECCO precisa de tempo e conscientização dos designers e da população para que se torne uma tendência forte no mercado, tanto para as construções urbanas, quanto para as regiões que sofrem com a carência de recursos hídricos. No entanto, já podemos pensar em formas de incluir esse produto na nossa realidade.

Com o SECCO passando a ser um recurso comum, a nossa sociedade só tem a ganhar. Aumentaremos o fornecimento de adubos aos produtores rurais e, também, a produção de energia 100% ecológica, além da geração de empregos na área de manutenção desses recursos.

Em relação à nossa cultura de aproveitamento, também temos muito a ganhar ao conseguir enxergar que na natureza tudo pode ser aproveitado, até mesmo as fezes e a urina.

Indiretamente, podemos abrir mão de milhões de reais usados para a transposição de um rio ou na construção de uma hidrelétrica, uma vez que o sistema não precisa de água para funcionar.

Atualmente, os criadores estão focados em produzir somente para a Colômbia, mas já estudam a possibilidade de incluir o restante da América Latina na rota de produção.

Um passo já está sendo dado. Os outros vão depender de investimentos e do quanto nós nos comprometeremos a nos educar a ver com bons olhos um sistema assim. Enquanto isso não acontece, ficamos torcendo para que um produto tão incrível e eco-amigável chegue logo por aqui.

Mas por enquanto fica a pergunta: você usaria esse sistema sanitário que não utiliza uma conta de água e ainda ajuda o desenvolvimento do meio ambiente? Conta para a gente nos comentários!

Se gostou compartilha com os amigos. Vamos ajudar mais pessoas a conhecerem outras possibilidades.

Se quiser ser avisado sobre novos artigos inscreva-se na nossa lista aqui. Para saber mais sobre como contratar os serviços de ecodesign sistêmico entre em contato neste link.

Mais informações sobre SECCO acesse: https://www.secco.info https://www.facebook.com/sanitario.secco/?fref=ts

Marina Dayrell

Marina é mineira, tem 24 anos e é formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Minas Gerais. Descobriu que nasceu para ser do mundo quando morou em Lisboa, Portugal. Apaixonada pela escrita e pela leitura, gosta de escrever sobre o desconhecido, seja ele comum ou inusitado.

Conheça mais sobre o trabalho de Marina Dayrell

Texto: Mariana Dayrell
Revisão: Carollina Amorim

Entrevista feita originalmente em língua italiana.
Material e imagens fornecidas pela LEHOS S.A.S em língua espanhola.
Agradecimento a LEHOS S.A.S e a designer Mariana Buraglia que gentilmente forneceu a entrevista.
SECCO é uma marca registrada assim como a propriedade intelectual que pertence a empresa LEHO S.A.S Licença Creative Commons
O conteúdo do artigo está licenciado como Creative Commons - Atribuição-Compartilha Igual 4.0 Internacional.
Algumas imagens seguem políticas próprias. Consulte antes de reproduzir.


Publicado em EcoDesign Sistêmico set 23, 2016